Vazão nas Cataratas diminui, e passarelas permanecem fechadas

A vazão nas Cataratas do Iguaçu, no oeste do Paraná, baixou de 20,7 milhões de litros por segundo, registrados às 16h de domingo (29), para 15,6 milhões de litros por segundo por volta das 4h desta segunda-feira (30). O volume ainda é considerado alto e pelo menos 10 vezes acima do normal. Por medida de segurança, a passarela de acesso a Garganta do Diabo está interditada desde sábado (28). O passeio de barco pelo rio – Macuco Safari – também está suspenso, somente as trilhas continuam liberadas para os turistas que visitam a unidade de conservação.

O aumento da vazão ocorreu logo após as chuvas que causaram alagamentos nas regiões oeste e sudoeste no sábado. Em Francisco Beltrão, segundo o Instituto de Meteorologia do Paraná (Simepar), choveu mais de 200 milímetros e o nível do Rio Marrecas subiu 5,9 metros acima do normal. Segundo a Defesa Civil, mais de 80 pessoas estão desalojadas no município. A prefeitura decretou situação de emergência.

Recorde
No dia 9 de junho, as chuvas fizeram o atrativo estabelecer um novo recorde de vazão com a marca de 46,7 milhões de l/s, conforme o registrado pelo Monitoramento Hidrológico feito pela Copel ao longo do Rio Iguaçu. Em função da cheia, a passarela ficou interditada por cinco dias e liberada parcialmente no dia 14. A segunda maior vazão foi registrada em 1983, quando outra cheia fez o volume nas quedas passar de 35 milhões de l/s.

Trégua da chuva

Segundo a Somar Meteorologia, não há mais previsão de chuva para esta semana em todo o estado. Nesta segunda-feira (30), o sol deve aparecer entre nuvens, porém, o frio fica mais intenso.  Curitiba amanheceu com mínima de 6ºC.

Ainda segundo a Somar, na terça-feira (1) Palmas, na região sul, tem previsão de temperaturas negativas e com chance de geada. Na quarta-feira (2) volta a esquentar em todo o Paraná.

A chuva só deve voltar a cair a partir da quinta-feira (3) e na região sudoeste. Para Pato Branco, Francisco Beltrão e Capanema deve chover, mas sem muita intensidade.

Fonte: G1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *